Advogando no novo desenvolvimento: profissionais do direito e a construção do setor de telecomunicações no Brasil emergente (dos anos 1980 aos anos 2010)

Fabio de Sá e Silva, David M. Trubek

Resumo


Este texto explora mudanças no papel dos advogados de empresas que atuaram na construção e operação de um importante setor da economia brasileira nos últimos trinta anos: as telecomunicações. O estudo examina três períodos na história deste setor: declínio do monopólio estatal; reestruturação global, neoliberalismo e privatização; e o recente retorno do ativismo estatal, com a configuração de um “Novo Estado Desenvolvimentista”. Em cada um desses períodos, advogados de empresas tiveram importantes, porém distintas funções. Nos dois primeiros, eles trabalharam para viabilizar a privatização e criar um mercado levemente regulado para os serviços de telecomunicações, visando, em especial, atrair investimento estrangeiro. No entanto, este quadro se altera no momento em que políticas industriais e sociais características de um “Novo Estado Desenvolvimentista” trazem novas demandas para o setor. Neste novo contexto, alguns advogados de empresas tentam resistir ao ativismo estatal, enquanto outros aceitam a legitimidade de maior intervenção do Estado, demonstram disposição para operar no âmbito de modelos mais flexíveis, e buscam negociar parcerias efetivas entre seus clientes e o poder público. A emergência desse novo tipo de advogado e de advocacia demandará ajustes naquelas teses. Esta sequencia de eventos envolve mudanças no campo do poder estatal, hierarquias nas profissões jurídicas, e relações centro-periferia, as quais desafiam as teorias existentes sobre direito, advogados e desenvolvimento capitalista.


Palavras-chave


direito; desenvolvimento; economia; profissões jurídicas

Texto completo:

PDF

Referências


Almeida, M. W. (1994). Reestruturação, internacionalização e mudanças institucionais das telecomunicações: lições das experiências internacionais para o caso brasileiro. PhD dissertation (Economics). Campinas: Universidade Estadual de Campinas.

Almeida, M. W. (1998). Investimento e privatização das telecomunicações no Brasil: dois vetores da mesma estratégia. Campinas: Universidade Estadual de Campinas.

Aranha, M. I. (2005). Políticas públicas comparadas de telecomunicações (Brasil - EUA). PhD dissertation (Comparative politics in the Americas). Brasilia: Universidade de Brasília.

Aranha, M. I. (2008). Democracia participativa e a agência reguladora de telecomunicações brasileira. In Anais do I Seminário Internacional de Regulação de Serviços Públicos. Santa Cruz do Sul: EDUNISC.

Aranha, M. I. (2015). Direito das Telecomunicações: Historico normativo e conceitos fundamentais (3a Ed). Charleston: CreateSpace.

Barbosa, N.; Souza, J. A. (2010). A inflexão do governo Lula: política econômica, crescimento e distribuição de renda. In E. Sader & M. A. Garcia (Orgs.), Brasil entre o Passado e o Futuro. São Paulo: Fundação Perseu Abramo e Boitempo Editorial.

Bolaño, C. R. (2003). Políticas de Comunicação e Economia Política das Telecomunicações no Brasil: convergência, regionalização e reforma (2a Ed.). Aracaju: Universidade Federal de Sergipe.

Bolaño, C. R.; Massae, F. (2000). A situação das telecomunicações no Brasil ao final do processo de privatização. In: Revista Brasileira de Ciências da Comunicação, XXIII(1), 43-55.

Brasil, R. F. (1997). Diretrizes gerais para a abertura do mercado de telecomunicações - Volume 4: Documentos de Suporte: Sundfeld Advogados. Ministério das Comunicações.

Brasil, R. F. (2006). Acórdão TCU 2109. Auditoria de natureza operacional. Avaliação da atuação da ANATEL no acompanhamento da qualidade da prestação dos serviços de telefonia. Determinações e recomendações. Monitoramento. Tribunal de Contas da União.

Brasil, R. F. (2008). TC023.332/2008-7. Monitoramento. Avaliação da atuaçnao da ANATEL no acompanhamento da qulidade da prestação dos serviços de telefonia. Baixo grau de implementação de recomendações do acórdão 2109/2006-P. Reduzido grau de cumprimento das determinações. Fixação de prazo para providências. Reiterações. Novo monitoramento. Ciência aos órgãos interessados. Tribunal de Contas da União.

Brasil, R F (2012) Lei n 12.593, de 18 de janeiro de 2012 - Institui o Plano Plurianual da União para o período de 2012 a 2015. Available at http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011- 2014/2012/Lei/L12593.htm

Braz, R. (2014). Reestruturação capitalista, firmas multinacionais de consultoria e telecomunicações: a privatização do Sistema Telebrás no lógica da mundialização do capital (Doutorado em Comunicação e Sociedade). Universidade de Brasília, Brasília.

Campello, T.; Neri, M. C. (Orgs.) (2013). Programa Bolsa Família: uma década de inclusão e cidadania. Brasília: Ipea.

Cavalcante, S. (2011). As telecomunicações após uma década da privatização: a face oculta do “sucesso”. Eptic online: revista electronica internacional de economia política da informaçao, da comunicaçao e da cultura, 13(1), 166-183.

Cavalcante, S. (2012). Estado, capital estrangeiro e burguesia interna no setor de telecomunicações nos governos FHC e Lula. In A. Boito-Jr. & A. Galvão (Orgs.), Política e classes sociais no Brasil dos anos 2000 (p. 107-157). São Paulo: Alameda.

Coutinho, D. R. (2005). Entre eficiência e equidade: a universalização das telecomunicações em países em desenvolvimento. Revista Direito GV, 1(2), 137-160.

Coutinho, D. R. (2014). Decentralization and coordination in social law and policy: the Bolsa família program. In D. M. Trubek, D. R. Coutinho, & M. G. Shapiro (Orgs.), Law and the new developmental state: the Brazilian experience in Latin American context.

Cummings, S. L.; Trubek, L. G. (2008). Globalizing Public Interest Law. UCLA Journal of International Law and Foreign Affairs, 13(1).

Cunha, L. G.; Gabbay, D. M.; Ghirardi, J. G.; Trubek, D. M.; Wilkins, D. B. (Orgs.), The Brazilian Legal Profession in the Age of Globalization: The Rise of the Corporate Sector and Its Impact on Lawyers and Society. Cambridge University Press, no prelo.

Dalmazo, R. A. (2002). As mediações cruciais das mudanças político-institucionais nas telecomunicações do Brasil. Porto Alegre: Secretaria da Coordenação e Planejamento, Fundação de Economia e Estatística Siegfried Emanuel Heuser.

Deakin, S.; Gindis, D.; Hodgson, G. M.; Kainan, H.; Pistor, K. (2015). Legal Institutionalism: Capitalism and the Constitutive Role of Law. University of Cambridge Faculty of Law Research Paper No. 26/2015. Available at SSRN: http://ssrn.com/abstract=2601035

Dezalay, Y.; Garth, B. (Eds.) (2002a). Global prescriptions: the production, exportation, and importation of a new legal orthodoxy. Ann Arbor: University of Michigan Press.

Dezalay, Y.; Garth, B. (2002b). The internationalization of palace wars: lawyers, economists, and the contest to transform Latin American states. Chicago: University of Chicago Press.

Dezalay Y, Garth B. (2010). Asian Legal Revivals: Lawyers in the Shadow of Empire. Chicago: Univ. Chicago Press

Dezalay, Y.; Garth, B. (2011). Hegemonic Battles, Professional Rivalries, and the International Division of Labor in the Market for the Import and Export of State-Governing Expertise. International Political Sociology, 5(3), 276-293.

Di Pietro, M. S. (2010). Direito Administrativo (24º ed). São Paulo: Atlas.

Duarte, D. A.; Silva, L. D. (2009). Informe Setorial: Backhaul ameaçado, consumidor atento. Revista de Direito, Estado e Telecomunicações, 1(1), 219-232.

Ewick, P.; Silbey, S. S. (1998). The common place of law: stories from everyday life. Chicago: University of Chicago Press.

Faraco, A. D.; Pereira Neto, C. M.; Coutinho, D. R. (2014). A judicialização de políticas regulatórias de telecomunicações no Brasil. In: RDA - Revista de direito administrativo. Rio de Janeiro, v. 265, p. 25-44.

Furtado, C. (2007). Formação econômica do Brasil (34. ed). São Paulo: Companhia das Letras.

Garth, B.; Dezalay, Y. (2012) Corporate Law Firms, NGOs, and Issues of Legitimacy for a Global Legal Order. Fordham Law Review, 80(6), 2309.

Gomide, A. A. (2011). A Política das Reformas Institucionais no Brasil: a reestruturação do setor de transportes. PhD dissertation (Public Administration). Sao Paulo: Escola de Administração de E mpresas de São Paulo (Fundacao Getulio Vargas).

Gupta, P. (2015). From Statesmen to Technocrats to Financiers: Agents of Development in the Third World. Paper presented at the Institute for Global Law and Policy Conference. Cambridge: Harvard Law School.

Halliday T.; Karpik L.; Feeley M, eds (2012). Fates of Political Liberalism in the British Post-Colony: The Politics of the Legal Complex. Cambridge, UK: Cambridge Univ. Press


Ismail, S. (2006). Analyzing the World Bank’s Blueprint for Promoting “Information and Communications”. 59 Federal Communications Law Journal 237 (2006), 59(1).

Leal, S. (2001). Os mecanismos de controle-público/social presentes no regulamento do setor de telecomunicações no Brasil: a Lei Geral de Telecomunicações e o Regimento Interno da Agência Nacional de Telecomunicações. Masters Thesis (Comunications). Brasilia: University of Brasilia.

Maculan, A-M.; Legey, L-R. (1996). As experiências internacionais de regulação para as telecomunicações e a reestruturação dos serviços no Brasil. Revista de Economia Política, 16(4), 67-86.

Marques Neto, F. A. (2010). Entre a legalidade e o “puxadinho”: a universalização da banda larga no Brasil. Revista de Direito de Informática e Telecomunicações, 5(9): 53-61.

Mattos, C. (2003). Telecomunicações reajuste e contrato. Conjuntura Econômica - IBRE/FGV.

Mattos, C. & Coutinho, P. (2005). The Brazilian model of telecommunications reform. Telecommunications Policy, 29(5-6), 449-466.

Mattos, P. (2006). O novo Estado regulador no Brasil: eficiência e legitimidade. São Paulo, SP: Editora Singular: FAPESP.

Mello, C. A. (2009). Curso de Direito Administrativo (29ª Ed). São Paulo: Malheiros.

Melo, M.; Gaetani, F.; Pereira, C. (2005). State capacity and institutional change: a case study of telecom regulation in Brazil. Paper presented at the X CLAD International Congress on State Reform and Public Administration. Chile: Santiago.

Miola, I. (2015). The Politics of Competition Regulation in Latin America: Roots and Roles of Antitrust Laws in Argentina, Brazil, Chile and Mexico. Paper presented at the Institute for Global Law and Policy Conference. Cambridge: Harvard Law School.

Moore, L. K. (2013). Spectrum Policy: Provisions in the 2012 Spectrum Act. Congressional Research Services. Available at: http://fas.org/sgp/crs/misc/R43256.pdf

Mosco, V. (2009). The political economy of communication (2nd ed). Los Angeles: SAGE.

Nelson, R. L.; Trubek, D. M. (1992). Arenas of professionalism: The professional ideologies of lawyers in context. In: R L Nelson & D M Trubek (Eds). Lawyers’ ideals/lawyers’ practices: Transformations in the American legal profession, 177-214.

Nielsen, L. B. (2014). Thinking law: thinking law in motion. Brazilian Journal of Empirical Legal Studies, 1 (2).

Oberman, M. (2013). Two Truths and a Lie: In re John Z. and Other Stories at the Juncture of Teen Sex and the Law. Law & Social Inquiry, 38(2), 364-402

Oliveira, E. Q. (2005). Depoimento. Rio de Janeiro: CPDOC/Embresa Brasileira de Correios e Telégrafos.

Peixoto, E. L. (2010). Programa Nacional de Banda Larga: Análise sobre a Formação da Agenda da Universalização da Banda Larga no Brasil. Masters Thesis (Public Administration). Brasilia: Universidade de Brasilia.

Pena, A. G.; Abdalla Junior, H.; Pereira Filho, J. L. (2012). A banda larga e o cenário brasileiro das telecomunicações. Revista de Direito, Estado e Telecomunicações, v. 4, n. 1, p. 237-302.

Pereira Filho, J. E. (2002). A Embratel: da era da intervenção ao tempo da competição. Revista de Sociologia e Política, Curitiba, (18), 33-47.

Pieranti, O. P. (2011). O Estado e as comunicações no Brasil: construção e reconstrução da administração pública. Brasília: Abras/Lecotec.

Prado, M. M. (2008). The challenges and risks of creating independent regulatory agencies: a cautionary tale from Brazil. Vanderbilt Journal of Transnational Law, 41 (2).

Prata, J.; Beirão, N.; Tomioka, T. (1999). Sergio Motta: o trator em ação (1a. ed). São Paulo, SP, Brasil: Geração Editorial.

Ramos, M. C. (2003). Tão ruim quanto uma má idéia é uma boa idéia mal copiada. Revista Teletime, 55: 36-38.

Ramos, M. C. (2004). Agências Reguladoras: a reconciliação com a política. Revista de Economía Política de las Tecnologías de la Información y Comunicación, VII(5), 17-39.

Ramos, M. C. (2010). Crítica a um Plano Nacional de Banda Larga: uma perspectiva da economia política das políticas públicas. In Anais da IV Conferência ACORN-REDECOM. Brasilia, DF, Brazil.

Rego, W. D.; Pinzani, A. (2014). Vozes do Bolsa Família: autonomia, dinheiro e cidadania (2. edição revista e ampliada). São Paulo, SP: Editora Unesp.

Rhodes, S. (2006). Social movements and free-market capitalism in Latin America: telecommunications privatization and the rise of consumer protest. Albany, NY: State Univ. of New York Press.

Santos, B. S.; Garavito, C. R. (Eds.) (2005). Law and globalization from below: towards a cosmopolitan legality. Cambridge, UK ; New York: Cambridge University Press.

Silbey, S. S. (2005). After Legal Consciousness. Annual Review of Law and Social Science, 1(1), 323- 368.

Sousa, R. A.; Souza, N. A.; Kubota, L. C. (2013). Desenvolvimentos Institucionais Recentes no Setor de Telecomunicações no Brasil. Texto para Discussão, n. 1874. Brasilia: Instituto de Pesquisa Economica Aplicada (Ipea)

Tavares, M. C. (2011). O Processo de substituição de importações como modelo de desenvolvimento na América Latina: o caso do Brasil. In V. P. Correa & M. Simioni (Eds.), Desenvolvimento e igualdade: [homenagem aos 80 anos de Maria da Conceição Tavares] (Ed. especial). Rio de Janeiro: Instituto de Pesquisa Economica Aplicada (Ipea)

Tavares, M. da C.; Fiori, J. L. (1993). Desajuste Global e Modernização Conservadora. São Paulo: Paz e Terra.

Taylor, M. (2015). The Unchanging Core of Brazilian State Capitalism, 1985-2015. School of International Service Research Paper No. 2015-8. Available at SSRN: http://ssrn.com/abstract=2674332

Teixeira, R. A.; Pinto, E. C. (2012). A economia política dos governos FHC, Lula e Dilma: dominância financeira, bloco no poder e desenvolvimento econômico. Economia e Sociedade, 21 (SPE), 909-941.

Trubek, D. M.; Dezalay, Y.; Buchanan, R.; Davis, J. (1994). Global Restructuring and the Law: Studies of the Internationalization of Legal Fields and the Creation of Transnational Arenas, Case Western Reserve Law Review Vol. 44, No. 2, pp. 407-498.

Trubek, D. M.; Alviar Garcia, H.; Coutinho, D. R.; Santos, A. (2014). Law and the new developmental state: the Brazilian experience in Latin American context.

Trubek, D. M.; Coutinho, D. R.; Shapiro, M. G. (2014). New state activism in Brazil and the challenge for law. In Law and the new developmental state: the Brazilian experience in Latin American context. New York: Cambridge University Press.

Trubek, D. M.; Galanter, M. (1974). Scholars in Self-Estrangement: Some Reflections on the Crisis in Law and Development Studies in the United States. Wisconsin Law Review, 1974, 1062.

Trubek, D. M.; Santos, A. (2006). The new law and economic development: a critical appraisal. New York: Cambridge University Press.

Veronese, A. (2011). A judicialização das políticas públicas de telecomunicações e as demandas dos consumidores: o impacto da ação judicial. PhD dissertation (Sociology). Rio de Janeiro: Universidade Estadual do Rio de Janeiro.

Weingast, B. R.; Wittman, D. (2008). The Oxford Handbook of Political Economy. Oxford: Oxford University Press.




DOI: http://dx.doi.org/10.19092/reed.v3i2.124

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution 3.0 License.

Indexado em:

  Crossref logo periodicos logo j4f logo worldcat logo sherpa romeo