Violência contra mulheres como um tema econômico: conferindo sentido a um campo fragmentado

Helena Alviar García

Resumo


A violência contra a mulher é um tema recorrente desde os anos 1970. Essa conceitualização tem se desenvolvido ao longo dos anos. Inicialmente, os esforços se concentraram na definição, persecução e punição do crime. Depois disso, esse problema começou a ser compreendido como uma questão de saúde pública. Mais recentemente, as consequências econômicas e a questão da discriminação contra as mulheres se tornaram centrais. Este artigo inicia por meio de uma descrição da relação entre gênero e desenvolvimento e o aumento da prevalência da violência contra a mulher como uma questão econômica. A segunda parte do texto ilustra como esse debate permeou o contexto colombiano. Essa narrativa local é um exemplo do propósito deste artigo: uma análise crítica da tendência recente de compreender a violência como um tema de acesso ao mercado, além da observação de que tal problema não é resultado de uma falta de regulação, mas sim de uma fragmentação e excesso de instituições e políticas para atacar tal problema.

Palavras-chave


Violência contra mulheres; desenvolvimento; Banco Mundial; sistema de direito Colombiano

Texto completo:

PDF (English)

Referências


Chinkin, C. (1995) “Violence Against Women; The International Legal Response” In Gender and Development, 26.

Deere, C.; D.; Safa, H.; Antrobus, P. (1997). Impact of the Economic Crisis on Poor Women and their Households, In Visvanathan, T. N.; Dugan, L.; Nisonoff; L. and Wiegerma L (eds.) The Women, Gender and Development Reader, 267-277. Zen Books.

Folbre, N.; Bergmann, B.; Agarwal, B.; Floro, M. (1992). Issues in Contemporary Economics, Women’s Work in the World Economy, 4, New York University Press.

Goven., J. (1992). Sexual Politics in Hungary: Autonomy and Antifeminism. In Sexual Politics and the Public Sphere: Women in Eastern Europe after the Transition. Routledge.

Heise, L.; Pitanguy, J.; Germain, A. Violence Against Women. (24), Washington: The World Bank.

Johnson, H.; Ollus, N.; Nevala, S. (2008). Violence Against Women. An International Perspective. New York: Springer.

Rittich, K. “Engendering Development/Marketing Equality”. In Albany Law Review, 575.

Klugman, J.; Hanmer, L.; Twigg, S.; Hasan, T.; McClearly, J.; Santamaria, J., Voice and Agency. Empowering Women and Girls for Shared Prosperity, (2). Washington: The World Bank .

McCluskey, M. Efficiency and Social Citizenship: Challenging the Neoliberal Attack on the Welfare State. In Indiana Law Journal, (783).

Meurs, M. (1997). Downwardly Mobile: Women in the Decollectivization of East European Agriculture. In Visvanathan, T. N.; Dugan, L.; Nisonoff; L. and Wiegerma L (eds.) The Women, Gender and Development Reader, Zen Books.

Nieves, R. (1996). Violencia de Género: un problema de derechos humanos, Serie Mujer y Desarrollo 16. CEPAL.

Secretario General de las Naciones Unidas (1998). Integrating the genre perspective into the work of United Nations human rights treaty bodies. Nueva York, Section II. Available at: http://www.un.org/womenwatch/daw/news/integrating.htm.

Fried, S. T. (2003). “Violence Against Women”, In Health and Human Rights 6(89).

Tjaden, P. (2005). “Defining and measuring violence against women: Background, issues, and recommendations” In Expert Grup Meeting, violence Against Women: A Statistical Overview, Challenges and Gaps in Data Collection and Methodology and Approaches for Overcoming Them.

Toni, M. (1994). Social Policy and Gender in Eastern Europe. In D. Sainsbury (ed.), Gendering Welfare States, 188-206, SAGE Publications.




DOI: http://dx.doi.org/10.19092/reed.v3i2.125

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution 3.0 License.

Indexado em:

  Crossref logo periodicos logo j4f logo worldcat logo sherpa romeo