Direito à cultura e políticas públicas no Brasil: uma análise dos gastos diretos e indiretos com o setor audiovisual durante a Nova República

Mateus Maia de Souza, Nichollas de Miranda Alem

Resumo


O presente artigo elabora uma análise dos resultados dos gastos públicos diretos e indiretos do Governo Federal com cultura, tomando tais gastos como pressupostos de uma configuração institucional voltada à efetivação do direito à cultura no Brasil durante a Nova República. Por razões metodológicas, optou-se por um enfoque sobre políticas de apoio e fomento ao audiovisual, setor que recebeu maior destaque no âmbito federal e que apresenta o maior número de indicadores disponíveis. Para este trabalho, consultamos, sobretudo, a literatura especializada em políticas culturais e leis de incentivo, bem como os diversos materiais institucionais dos órgãos e entidades públicos federais atuantes na área da cultura. A pesquisa realizada indicou que os gastos indiretos continuam sendo parte significativa dos gastos totais do Governo Federal com cultura. No caso do setor audiovisual, um exame mais detido dos indicadores revelou graves limitações dos mecanismos de incentivo fiscal. Ao fim, foram feitas algumas considerações acerca de uma possível correção de rumos das políticas públicas de cultura tendo-se em vista os fins traçados pela Constituição Federal.


Palavras-chave


Direito; políticas públicas; audiovisual; orçamento público; leis de incentivo

Texto completo:

PDF

Referências


Afonso da Silva, J. (2001). Ordenação Constitucional da Cultura. São Paulo: Malheiros.

Alcântara, R. (2014). Mercado Audiovisual Brasileiro: Políticas Públicas, Avanços e Perspectivas. Apresentação realizada para o Brasil Cinemundi. ANCINE. Disponível em: Acesso em: 1 mar. 2016.

Amora, D. (2016). TCU proíbe Lei Rouanet para projetos com fins lucrativos e autossustentáveis. Folha de São Paulo. Publicado em 04.02.2016. Disponível em: . Acesso em: 29 fev. 2016.

ANCINE (2013). Plano de diretrizes e metas para o audiovisual: o Brasil de todos os olhares para todas as telas. 1. ed. Rio de Janeiro. Disponível em: . Acesso em: 27 fev. 2016.

ANCINE (2015). Anuário Estatístico do Cinema Brasileiro. Brasília. Disponível em: . Acesso em: 27 fev. 2016.

ANCINE (2015a). Brasil de Todas as Telas – Ano 2. Rio de Janeiro. Disponível em: . Acesso em: 27 fev. 2016.

ANCINE (2016). Observatório Brasileiro do Cinema e do Audiovisual – OCA. Brasília: ANCINE. Disponível em: . Acesso em: 7 jun. 2016.

ANCINE (2015b). Publicado decreto que estabelece a Cota de Tela para 2015. Sala de Imprensa, 5 jan. 2015. Disponível em: . Acesso em: 5 jun. 2015.

ANCINE (2015c). Valor adicionado pelo setor audiovisual – Estudo Anual 2015. Observatório Brasileiro de Cinema e do Audiovisual. Disponível em: . Acesso em: 28 fev. 2016.

Andrade, J. M. A. de (2015). A política econômica e a governança dos gastos tributários indiretos. Consultor Jurídico, 30 ago. 2015. Disponível em:. Acesso em: 29 fev. 2016.

Andrade, J. M. A. de (2016). Avaliação de eficiência e efetividade é necessária em nossa política econômica. Consultor Jurídico, 21 fev. 2016. Disponível em:. Acesso em: 29 fev. 2016.

Augustin, A. C. (2009). O neoliberalismo e seu impacto na política cultural brasileira. Rio de Janeiro: Fundação Casa de Rui Barbosa. Apresentado no II Seminário Internacional Políticas Culturais. Disponível em: < http://www.casaruibarbosa.gov.br/dados/DOC/palestras/Politicas_Culturais/II_Seminario_Internacional/FCRB_AndreAugustin_O_neoliberalismo_e_seu_impacto_na_politica_cultural_brasileira.pdf>. Acesso realizado em 11 jul. 2016.

Ballerini, F. (2012). Cinema brasileiro no século XXI. São Paulo: Summus Editorial.

Calabre, L. (2005). Política Cultural no Brasil: um histórico. I Encontro de Estudos Multidisciplinares em Cultura. Disponível em: . Acesso em: 29 jan. 2016.

Calabre, L. (2007). Políticas Culturais no Brasil: balanço e perspectiva. III Encontro de Estudos Multidisciplinares em Cultura. Disponível em: . Acesso em: 5 fev. 2016.

Calabre, L. (2009). Políticas Culturais no Brasil: dos anos 1930 ao século XXI. FGV: Rio de Janeiro.

Câmara dos Deputados (2010). Projeto de Lei n.º 6722/2010. Assinado pelos Ministros João Luiz Silva Ferreira, Paulo Bernardo Silva, Guido Mantega, Tarso Fernando Herz Genro. Disponível em: . Acesso em: 16 jun. 2016.

Cesnik, F. de S. (2007). Guia do Incentivo à Cultura. 2 ed. Manole: São Paulo.

Chapentreau, J. (2012). Por uma política cultural. In: Poirrier, P. (org.). Cultura e Estado: a política cultural na França, 1955-2005. Tradução de Ana Goldberger. São Paulo: Iluminuras: Itaú Cultural.

Comissão de Direitos Autorais, Direitos Imateriais e Entretenimento (2015). Guia do produtor audiovisual. OAB RJ: Rio de Janeiro. Disponível em: . Acesso em: 29 fev. 2016.

Congresso Nacional (1991). Exposição de Motivos do Projeto de Lei n.º 1448/1991. Congresso Nacional: Brasília. Disponível em: http://www.camara.gov.br/proposicoesWeb/fichadetramitacao?idProposicao=192259. Acesso realizado em 11 jul. 2016.

FGV (2015). A Cultura na Economia Brasileira. Revista FGV Projetos nº 23. FGV: Rio de Janeiro.

Furtado, C. (2007). O capitalismo global. 7. ed. São Paulo: Paz e Terra.

Gatti, A. P. (2006). Investimento no cinema brasileiro na Retomada (1994-2003). FACOM n.º 16. Disponível em: . Acesso em: 29 fev. 2016.

Gorgulho, L.; Goldenstein, M.; Alexandre, P. V. M.; Mello, G. A. T. (2009). A economia da cultura, o BNDES e o desenvolvimento sustentável. BNDES Setorial nº 30. Disponível em: . Acesso em: 27 fev. 2016.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – IBGE. (2015). Perfil dos Estados e dos Municípios Brasileiros: Cultura 2014. IBGE: Rio de Janeiro. Disponível em: . Acesso em: 1 mar. 2016.

Ikeda, M. (2011).Estado e cinema no início do século XXI: características de formação da ANCINE. Fundação Casa de Rui Barbosa: Rio de Janeiro. Disponível em: . Acesso em: 29 fev. 2016.

Ikeda, M. (2012). Uma análise das leis de incentivo fiscal para o cinema brasileiro sob a ótica da captação de recursos incentivados. Fundação Casa de Rui Barbosa: Rio de Janeiro. Disponível em: . Acesso em: 29 fev. 2016.

Itaú Cultural (2009). Revista Observatório Itaú Cultural – OIC, São Paulo, SP, nº 7, jan./mar. 2009.

Itaú Cultural. (2010) . Revista Observatório Itaú Cultural – OIC, São Paulo, SP, nº 10, set./dez. 2010.

JLEIVA. (2014). Pesquisa Hábitos dos Paulistas. Disponível em: . Acesso em: 29 fev. 2016.

Lima, H. S. (2015). A Lei da TV Paga: impactos no mercado audiovisual. Dissertação apresentada à Escola de Comunicação e Artes da Universidade de São Paulo como requisito para a obtenção do título de mestre em Meio e Processo Audiovisuais. Universidade de São Paulo: São Paulo.

Lima, L. P. B.; Ortellado, P.; Souza, V. de. (2013). O que são as políticas culturais? Uma revisão crítica das modalidades de atuação do Estado no campo da cultura. IV Seminário Internacional de políticas culturais. Disponível em: . Acesso em: 25 jan. 2016.

Mello, G.; Goldenstein, M.; Ferraz, R. (2013). O audiovisual brasileiro em um novo cenário. BNDES Setorial nº 38. Disponível em: . Acesso em: 27 fev. 2016

Ministério da Cultura (2010). Nova Lei da Cultura. Material informativo sobre o projeto de lei de fomento e incentivo. Brasília. Disponível em: . Acesso em: 29 fev. 2016.

Ministério da Cultura (2011). Metas do Plano Nacional de Cultura. Brasília. Disponível em: . Acesso em: 29 fev. 2016.

Ministério da Cultura (2016). Plano Nacional de Cultura: relatório 2015 de acompanhamento das metas. Brasília. Disponível em: . Acesso em: 16 jun. 2016.

Ministério da Cultura (2016). SalicNet – Sistema de Apoio às Leis de Incentivo à Cultura. Brasília: Ministério da Cultura. Disponível em: . Acesso em: 7 jun. 2016.

Mioto, R. (2013). Lei Rouanet banca igreja, ponte, Oktober e festa da Mancha Verde. Folha de São Paulo. Publicado em 01 set. 2013.

Morais, K. (2015). A Política de fomento ao audiovisual no Brasil e o lugar da TV. VI Congresso da Compolítica – Associação Brasileira de Pesquisadores em Comunicação e Política. Disponível em: . Acesso em: 27 fev. 2016

Nascimento, A. F. (2008). Política Cultural e Financiamento do Setor Cultural. IV Encontro de Estudos Multidisciplinares em Cultura. Disponível em: . Acesso em: 25 jan. 2016.

Olivieiri, C. (2013). Guia Brasileiro de Produção Cultural. SESC: São Paulo.

Planalto (2014). Decreto n.º 8.386, de 30 de dezembro de 2014. Dispõe sobre a obrigatoriedade de exibição de obras audiovisuais e cinematográficas brasileiras. Disponível em: < http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2011-2014/2014/Decreto/D8386.htm> . Acesso realizado em 11 jul. 2016.

Portal Brasil (2013). Lei da TV por assinatura impulsiona crescimento do mercado de audiovisual. Portal Brasil, 13 jun. 2013.Disponível em: . Acesso em: 13 jun.2015.

Ramundo, J. (2012). BNDES e a Economia Criativa. Seminário Desenvolvimento Regional: Avaliação, Desafios e Perspectivas. Disponível em: Acesso em: 27 fev. 2016.

Rangel, M. (2015).A estabilidade das conquistas da TV Paga. Folha de São Paulo. Publicado em 23 jun.2015. Disponível em: . Acesso em: 1 mar. 2016.

Receita Federal do Brasil – RFB. (2015). Demonstrativo dos Gastos Governamentais Indiretos de Natureza Tributária – (Gastos Tributários) – PLOA 2015. Disponível em: . Acesso em: 7 jun. 2016.

Receita Federal do Brasil (2016). Demonstrativos dos Gastos Tributários – DGT. Publicado em 25 nov. 2014. Atualizado em 2 jun. 2016. Brasília: Receita Federal do Brasil. Disponível em: . Acesso em: 7 jun. 2016.

Reis, P. F. dos. (2011). Estado e políticas culturais. II Seminário Internacional Políticas Culturais.

Sá, F.; Tardáguila, C. (2015). Juca Ferreira abre fogo contra a Lei Rouanet. O Globo. Publicado em 6 fev. 2015. Disponível em: . Acesso em: 29 fev. 2016.

Santos, R. dos; Coutinho, A. (2012). Políticas Públicas e regulação do audiovisual. CRV: Curitiba.

Senado Federal. Siga Brasil. Brasília: Senado Federal. Disponível em: . Acesso em: 7 jun. 2016.

Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas – SEBRAE (2015). Estudo de inteligência do Mercado Audiovisual. Disponível em: . Acesso em: 29 fev. 2016.

Simis, A. (2015). Estado e cinema no Brasil. UNESP: São Paulo.

Solot, S. (Org.). (2012). The Brazilian Audiovisual Industry. Latin American Training Center: Rio de Janeiro.

Song, Y. (2012). Audiovisual Services in Korea: Market Development and Policies. ABDI Working Paper Series, nº 354, Asian Development Bank Institute. Disponívelem: . Acesso em: 29 fev. 2016.

Viana, R. (2016). Lei Rouanet é falha, mas com anuência do Ministério da Cultura. Folha de São Paulo. Publicado em 22 fev. 2016. Disponível em: . Acesso em: 29 fev. 2016.




DOI: http://dx.doi.org/10.19092/reed.v3i2.127

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution 3.0 License.

Indexado em:

  Crossref logo periodicos logo j4f logo worldcat logo sherpa romeo