“Decifra-me ou te devoro”: o ensino do direito constitucional em perspectiva e em ação

Carlos Victor Nascimento dos Santos

Resumo


O artigo apresenta a descrição de uma disciplina oferecida na graduação em Direito a partir do estudo de casos com role play e seminários, aqui estruturado por meio da descrição da metodologia utilizada em sala de aula, passando por narrativas de experiências ocorridas em sala, até o apontamento de reflexões alcançadas quer por observações às dinâmicas ou por diálogos estabelecidos com os próprios alunos. A disciplina oferecida envolveu a discussão de temas relativos ao direito constitucional, sendo adaptada às condições estabelecidas pela universidade e necessidade dos alunos. Durante as aulas, com o exercício constante de construção e desconstrução de argumentos e teses, a partir da metodologia proposta, foi possível estabelecer reflexões acerca da necessidade de estranhamento do campo jurídico e relativização e desnaturalização de categorias jurídicas. O resultado foi a percepção de como o ensino do Direito pode estar estruturado e do potencial da pesquisa na distinção de três importantes fenômenos: como o campo jurídico é lido pela doutrina, como ele funciona e como os seus atores dizem que ele efetivamente é.


Palavras-chave


ensino do direito; campo jurídico; pesquisa

Texto completo:

PDF

Referências


Adeodato, J. M. (1997). Bases para uma metodologia da pesquisa em Direito. Anuário dos cursos de pós-graduação em direito, 8, 201-224.

Barroso, L. R. (1990). O direito constitucional e a efetividade de suas normas. Tese de livre-docência, Universidade Estadual do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, Brasil.

Bernstein, B. (1990). Class, codes and Control, Vol. IV: The structuring of pedagogic discourse. London: Routledge.

Bourdieu, P. (1998). O poder simbólico (2a ed.). Rio de Janeiro: Bertrand Brasil.

Bourdieu, P. Passeron, J. C. (2002). As condições sociais da circulação internacional das ideias. Enfoques, 1(01), IV-117.

Bourdieu, P. Passeron, J. C. (2011). A reprodução: elementos para uma teoria do sistema de ensino. Petrópolis: Vozes.

Brandão, R. (2012). Supremacia Judicial e Diálogos Constitucionais: a quem cabe a última palavra sobre o sentido da Constituição. Lumen Juris: Rio de Janeiro.

Brasil (2004). Resolução do Conselho Nacional de Educação – Câmara de Educação Superior n. 09, de 27 de setembro de 2004. Institui as diretrizes curriculares nacionais do Curso de Graduação em Direito e dá outras providências. Disponível em: . Acesso em: 28.abr.2016.

Cardoso de Oliveira, L. R. (2011). A dimensão simbólica dos direitos e a análise de conflitos. Revista de Antropologia, 53(2), 451-473.

Dias, R. D. (2014). Relações de poder e controle no currículo do curso de direito da FURG. Tese de Doutorado. Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade Federal de Pelotas. Pelotas, UFPEL.

Falcão, J. (2012). Reforma da educação jurídica: continuidade sem continuísmos. In: Lacerda, G. Falcão, J. Rangel, T. (Org). A Aventura e Legado no Ensino Jurídico. Rio de Janeiro: FGV Direito Rio, 138-161.

Fazenda, I. C. A. (1992). Integração e interdisciplinaridade no ensino brasileiro: efetividade ou ideologia? São Paulo: Loyola.

Ferreira Filho, M. G. (2002). Curso de Direito Constitucional. Rio de Janeiro: Saraiva.

Flick, U. (2005). Métodos qualitativos na investigação científica. Lisboa: Monitor.

Frigotto, G. (1992). A interdisciplinaridade como necessidade e como nas ciências sociais. In: Seminário de Educação/92 – Interdisciplinaridade – o pensado, o vivido. Cuiabá: UFMT.

Geraldo, P. H. B. (2012). O multiprofissionalismo à prova da instituição judiciária: uma análise do processo de estigmatização dos juízes de proximidade em França. In: III Seminário do Programa de Pós-graduação em Sociologia da UFSCAR, São Carlos. Sessões dos GTs, Comunicações orais e pôsteres.

Ghiraldelli Junior, P. (2000). Didática e teorias educacionais. Rio de Janeiro: DP&A.

Japiassú, H. (1976). Interdisciplinaridade e patologia do saber. Rio de Janeiro: Imago.

Kant de Lima, R. (1995). Da inquirição ao júri, do trialbyjury a pleabargaining: modelos para a produção da verdade e a negociação da culpa em uma perspectiva comparada (Brasil/Estados Unidos). Tese para Professor Titular da Universidade Federal Fluminense.

Kant de Lima, R. (2010). Sensibilidades jurídicas, saber e poder: bases culturais de alguns aspectos do direito brasileiro em uma perspectiva comparada. Anuário Antropológico, 2, 25-51.

Lenoir, T. (2004). A disciplina da natureza e a natureza das disciplinas. In: Lenoir, T. Instituindo a ciência: a produção cultural das disciplinas científicas. São Leopoldo: Editora Unisinos, 62-98.

Lenza, P. (2013). Direito Constitucional Esquematizado. 13ª Edição. Rio de Janeiro: Saraiva.

Lira, R. P. (1996). Problemas e perspectivas da Pós-graduação na área do Direito. Revista da Faculdade de Direito da UFPR, 29(29), 73-85.

Lopes, A. C. (2008). Políticas de integração curricular. Rio de Janeiro: EdUERJ.

Lupetti, B. B. (2010). A pesquisa empírica no Direito: obstáculos e contribuições. In: Kant de Lima, R.; Eilbaum, L.; Pires, L. (Org.) Conflitos, Direitos e Moralidades em Perspectiva Comparada, Vol. II. Rio de Janeiro: Garamond Universitária, 127-152.

Lyra Filho, R. (1980). O direito que se ensina errado (sobre a reforma do ensino jurídico). Brasília: Centro Acadêmico de Direito da UnB.

Mendes, G. F. Coelho, I. M. Branco, P. G. G. (2012). Curso de Direito Constitucional. Rio de Janeiro: Saraiva.

Miaille, M. (2010). Ensinar o direito constitucional: a crítica do direito à prova. In: Mont'alverne, M.; Bello, E. (Org.). Direito e Marxismo. Rio de Janeiro: Lumen Juris.

Miaille, M. Fontainha, F.de C. (2010). O ensino do Direito na França. Revista Direito GV, 6(1),59-66.

Moraes, A. (2012). Direito Constitucional. Rio de Janeiro: Atlas Editora.

Morin, E. (2011). A via, para o futuro da humanidade. São Paulo: Bertrand Brasil.

Nalini, J. R. Carlini, A. (2010). Direitos humanos e formação jurídica. Rio de Janeiro: Forense.

Perrenoud, P. (1999). Construir competências é virar as costas aos saberes? Pátio: Revista pedagógica, 11, 15-19.

Rodrigues, H. W. (2005). Pensando o Ensino do Direito no Século XXI. Florianópolis: Fundação Boiteux.

Rosenberg, G. N. (2007). The hollow hope: can courts bring about social change. Chicago: The University of Chicago Press.

Santos, B. de S. (2000). A crítica da razão indolente: contra o desperdício da experiência. Para um novo senso comum. A ciência, o direito e a política na transição paradigmática. São Paulo: Cortez Editora.

Santos, C. V. N. dos; Silva, G.B. (2015). Entre a academia e os tribunais: a construção social do direito constitucional brasileiro. Confluências, 17, 80-91.

Silva, J. A. da. (1994). Curso de Direito Constitucional Positivo. Rio de Janeiro: Malheiros.

Silva, V. A. da; Wang, D. W.L. (2010). Quem sou eu para discordar de um ministro do STF? O ensino do Direito entre argumento de autoridade e livre debate de ideias. Revista Direito GV, 6(1), 95-118.

Scheingold, S. A. (2004). The politics of rights: lawyers, public policy, and political change. Ann Arbor: University of Michigan Press.

Unger, R. M. (2005). Uma nova faculdade de Direito no Brasil. Cadernos FGV Direito Rio: Educação e Direito, v. 1. Rio de Janeiro: FGV Direito Rio.

Veiga-Neto, A. J. (1995). Currículo, disciplina e interdisciplinaridade. Ideias - Revista da Fundação Para o Desenvolvimento da Educação, 26, 105-119.

Veiga-Neto, A. J. (2002). De geometrias, currículos e diferenças. Educação & Sociedade, 23(79), 163-186.

Warat, L. A. (2004). Epistemologia e ensino do direito: o sonho acabou. Florianópolis: Fundação Boiteux.




DOI: http://dx.doi.org/10.19092/reed.v3i2.133

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution 3.0 License.

Indexado em:

  Crossref logo periodicos logo j4f logo worldcat logo sherpa romeo