Pesquisa empírica da gestão pública dos servidores: mecanismos jurídicos para a modernização das administrações públicas dos entes federativos

Irene Patrícia Nohara

Resumo


O presente artigo compreende a análise de uma parcela do material empírico produzido pela pesquisa do Projeto Pensando o Direito (edital especial 1/2012), referente aos mecanismos jurídicos para a modernização da gestão pública, realizada com fomento do PNUD. Foi empregado o método empírico-quantitativo, a partir da coleta de dados em formulários endereçados a 54 órgãos públicos de gestão de servidores das diversas Administrações Públicas de variadas esferas federativas brasileiras. Objetiva-se, a partir da introdução da problemática das insuficiências da última Reforma Administrativa, e da análise dos dados recebidos, oferecer soluções jurídicas aptas a promover uma gestão pública mais eficiente, considerando que a proposta de modernização administrativa deve acompanhar o projeto constitucional de desenvolvimento nacional. A análise dos dados coletados tem por finalidade demonstrar alguns aspectos do panorama geral da gestão pública dos servidores, obtidos em função do regime jurídico, das faixas de remuneração, da duração da jornada de trabalho, da presença de mecanismos de promoção e da qualificação da força de trabalho. Espera-se enfatizar a necessidade de um planejamento estratégico da força de trabalho dos entes federativos como instrumento relevante para que se atinja maior eficiência e envolvimento dos servidores públicos, em função das demandas de políticas públicas existentes na agenda do Estado brasileiro, aspecto que não foi considerado detidamente quando do planejamento da última Reforma Administrava.

Palavras-chave


Pesquisa empírica; Gestão pública; Servidores públicos

Texto completo:

PDF

Referências


Abrucio, F. L. (2006). Os avanços e dilemas do modelo pós-burocrático: a reforma da administração pública à luz da experiência internacional recente. Reforma do Estado e administração pública gerencial. Rio de Janeiro: Fundação Getúlio Vargas.

Bandeira de Mello, C. A. (2008). Curso de Direito Administrativo. São Paulo: Malheiros.

Beltrão, H. (1968). Reforma Administrativa. Brasília: Departamento de Imprensa Nacional.

Bercovici, G. (2005). Constituição econômica e desenvolvimento. São Paulo: Malheiros.

Bersch, K.; Praça, S.; Taylor, M. M. (2013). State Capacity and Bureaucratic Autonomy Within National States: Mapping the Archipelago of Excellence in Brazil. Paper presented at The Latin American Studies Association Conference. Washington. Disponível em http://cepesp.files.wordpress.com/2013/06/bersch-praca-taylor-state-capacity-and-autonomy-may-1_lasa.pdf

Bresser-Pereira, L. C.; & Spink, P. (2006). Reforma do Estado e administração pública gerencial. Rio de Janeiro: Fundação Getúlio Vargas.

Bucci, M. P. D. (2002). Direito Administrativo e Políticas Públicas. São Paulo: Saraiva.

Dallari, D. A. (1986). O Estado federal. São Paulo: Ática.

Di Pietro, M. S. (2012). Direito Administrativo. São Paulo: Atlas.

Gabardo, E. (2002). Princípio constitucional da eficiência administrativa. São Paulo: Dialética.

Geddes, B. (1994). Polititian’s Dilemma: Building State Capacity in Latin America. California Series on Social Choice and Political Economy, 5. Los Angeles: University of California Press.

Martins Júnior, W. P. (2009). Remuneração dos agentes públicos. São Paulo: Saraiva.

Matias Pereira, J. (2008). Administração pública comparada: uma avaliação das reformas administrativas do Brasil, EUA e União Europeia. Revista de Administração Pública, 42 (1), 61-62.

Nielsen, L. B. (2010). The need for multi-method approaches in empirical legal research. In. P. Cane & H. M. Kritzer (eds.). The Oxford Handbook of Empirical Legal Research (pp. 951-975). UK: Oxford University Press.

Nohara, I. P.; & Marrara, T. (2009). Processo administrativo. São Paulo: Atlas.

Nohara, I. P. (2012). Reforma Administrativa e Burocracia. São Paulo: Atlas.

Nohara, I. P., & Parreira, L. (2012). Entropia e antropofagia no Castelo de Kafka: reflexões sobre a desfuncionalização burocrática à luz da racionalização extrema do direito público. In M. C. Galuppo; W Madeira Filho (eds.). Direito, Arte e Literatura (pp. 60-77). Florianópolis: Funjab.

Nohara, I. P; Silveira, V. O.; Meyer-Pflug, S. R.; Bittencourt, D. A.; Parreira, L.; Richardo, R. L. M.; Oliveira, A. N.; Tsukada, E. M.; Cobellis, G. (2013). Gestão pública da força de trabalho entre os entes federativos da Administração Pública. Série Pensando o Direito (49-I), 15-93. Disponível em http://participacao.mj.gov.br/pensandoodireito/wp-content/uploads/2013/11/Volume-49-I-UFPI-Desapropria%C3%A7%C3%B5es-rurais.pdf

Weber, M. (1999). Economia e Sociedade: fundamentos da sociologia compreensiva. Brasília: Universidade de Brasília.




DOI: http://dx.doi.org/10.19092/reed.v1i2.39

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution 3.0 License.

Indexado em:

  Crossref logo periodicos logo j4f logo worldcat logo sherpa romeo