Avaliando o desenvolvimento da pesquisa empírica em direito no Brasil: o caso do Projeto Pensando o Direito

Ricardo de Lins e Horta, Vera Ribeiro de Almeida, Marcelo Chilvarquer

Resumo


Embora pesquisas empíricas em Direito no Brasil sejam realizadas desde a década de 1970, e os últimos anos tenham trazido um crescimento acentuado do uso dessas metodologias, ainda se discutem os motivos da sua relativa incipiência. Entre eles estariam o baixo rigor científico, o isolamento da área e a baixa institucionalização da pesquisa em Direito. Partindo da premissa que o Projeto Pensando o Direito proporcionou meios para o apoio institucional, financiamento e divulgação de tais pesquisas, buscamos testar a hipótese de que os 56 relatórios publicados pelo Projeto, que cobrem o período de 2007 a 2012, refletem um crescimento relativo do uso e da diversidade de metodologias empíricas típicas das ciências sociais. Foi encontrado um significativo aumento na diversidade de abordagens empregadas por pesquisa, bem como no uso de estratégias de aplicação de questionários e realização de entrevistas. Os achados sugerem que a pesquisa em Direito no Brasil passa por um processo de difusão de abordagens multimetodológicas e de aproximação com as ciências sociais.

Palavras-chave


Pesquisa empírica em direito; Projeto Pensando o Direito; Metodologia científica

Texto completo:

PDF

Referências


Adeodato, J. M. (1999). Bases para uma metodologia da pesquisa em Direito. Revista CEJ, 7, jan/abr,143-150.

Alves, R. F. (2013). O necessário diálogo entre a Academia e o Governo: o binômio autonomia-utilidade do Projeto Pensando o Direito. In O Papel da Pesquisa na Política Legislativa: Metodologia e Relato de Experiências do Projeto Pensando o Direito (p. 38-47) Brasília: Ministério da Justiça.

Amaral, T. B. (2010). Medidas Assecuratórias no Processo Penal. Série Pensando o Direito, 25/2010. Brasília: Ministério da Justiça.

Chui, W. H. (2007). Quantitative Legal Research. In M. McConville & W. H. Chui. Research Methods for Law (p. 46-68) Edinburgh: Edinburgh University Press.

Colaço, T. L. (2011). Ensino e Pesquisa do Direito e da Antropologia Jurídica. Cadernos da Escola de Direito e Relações Internacionais, 1, 18-29.

Coutinho, D. (2011). O Direito nas Políticas Públicas. Eduardo Marques e Carlos Aurélio Pimenta de Faria (eds.) In: Política Pública como Campo Disciplinar, São Paulo: Unesp.

Cunha, A. S. & Silva, P. E. A (Orgs.). (2013). Pesquisa Empírica em Direito: Anais do I Encontro de Pesquisa Empírica em Direito. Rio de Janeiro: IPEA.

Diehl, D. (2013). Balanço das Metodologias utilizadas na Série Pensando o Direito. In O Papel da Pesquisa na Política Legislativa: Metodologia e Relato de Experiências do Projeto Pensando o Direito (p. 90-98) Brasília: Ministério da Justiça.

Dobinson, I. & Johns F. (2007). Qualitative Legal Research. In M. McConville & W. H. Chui. Research Methods for Law (p. 16-45). Edinburgh: Edinburgh University Press.

Epstein, L. & King, G. (2002). The Rules of Inference. The University of Chicago Law Review. 69 (1), 1-133.

Epstein, L. & Martin, A. D. (2010). Quantitative approaches to empirical legal research. In P. Cane & H. M. Kritzer. The Oxford Handbook of Empirical Legal Research (pp. 901-925). Oxford: Oxford University Press.

Escola Nacional de Administração Pública – ENAP (2010). Concurso Inovação na Gestão Pública Federal – Experiência: Projeto Pensando o Direito. Disponível em: http://inovacao.enap.gov.br/index.php?option=com_docman&task=doc_view&gid=306.

Faria, J. E. & Campilongo, C. (1991). A Sociologia Jurídica no Brasil. Porto Alegre: Fabris.

Fragale, R. & Veronese, A. (2004). A Pesquisa em Direito: Diagnóstico e Perspectivas. Revista Brasileira de Pós-Graduação, 1 (2), 53-70.

Fundação Getúlio Vargas – FGV (2013). “Professores da DIREITO RIO são selecionados para o projeto Pensando o Direito”. 22/05/2013. Disponível em: http://direitorio.fgv.br/professores-da-direito-rio-sao-selecionados-para-o-projeto-pensando-o-direito

Geraldo, P. B.; Fontainha, F.; Veronese, A. (2010). Sociologia empírica em direito: uma introdução. Revista Ética e Filosofia Política, 12, 2, julho.

Ghirardi, J. G.; Cunha, L. G.; Feferbaum M. (Orgs.) (2013). Observatório do Ensino de Direito – Relatório Outubro 2013: Quem é o professor de Direito no Brasil? São Paulo: Fundação Getúlio Vargas.

Junqueira, L. P. & Figueiredo M. (2011). Modernização do Sistema de Convênios da Administração Pública com a Sociedade Civil. Série Pensando o Direito, 41/2011. Brasília: Ministério da Justiça.

Kritzer, H. (2009). Research is a Messy Business: An Archeology of the Craft of Socio-Legal Research. In S. Halliday, P. Schmitt. Conducting Law and Society Research. Reflections on methods and Practices. Cambridge: Cambridge University Press.

Kritzer, H. (2010). The (Nearly) Forgotten Early Empirical Legal Research. In P. Cane & H. M. Kritzer. The Oxford Handbook of Empirical Legal Research (pp. 875-900) Oxford: Oxford University Press.

Machado, M. R. (2009). Responsabilidade Penal da Pessoa Jurídica. Série Pensando o Direito, n. 18/2009. Brasília: Ministério da Justiça.

Machado, M. R. (2013). Pesquisa Empírica em Direito: os limites dos métodos e o ganho dos debates públicos. In O Papel da Pesquisa na Política Legislativa: metodologia e relato de experiências do Projeto Pensando o Direito. (p. 80-89) Brasília: Ministério da Justiça.

Mori Madeira, L. & Engelmann, F. (2013). Estudos Sociojurídicos: Apontamentos Sobre Teorias e Temáticas de Pesquisa em Sociologia Jurídica no Brasil. Revista Sociologias, 15, 32, 182-209.

Nielsen, L. B. (2010). The Need for Multi-Method Approaches in Empirical Legal Research. In P. Cane & H. M. Kritzer. The Oxford Handbook of Empirical Legal Research (pp. 951-975). Oxford: Oxford University Press.

Nobre, M. (2003). Apontamentos Sobre a Pesquisa em Direito no Brasil. In Novos Estudos Cebrap (p. 145-154). São Paulo. 2003.

Nourse, V. & Shaffer, G. (2009). Varieties of New Legal Realism: Can a World Order Prompt a New Legal Theory? Cornell Law Review. 95, 61-138.

Nutley, S. M.; Walter, I.; Davies, H. T. O. (2007). Using Evidence: How research can inform public services. Bristol: The Policy Press.

Oliveira, F. L. & Silva, V. F. (2005). Processos judiciais como fonte de dados: poder e interpretação. Sociologias (UFRGS. Impresso), 244-258.

Oliveira, G. J. (2009). Estado Democrático de Direito e Terceiro Setor. Série Pensando o Direito, n. 16/2009. Brasília: Ministério da Justiça.

Oliveira, L. (2004). Não Fale do Código de Hamurabi! A Pesquisa Sóciojurídica na Pós-graduação em Direito. In Sua Excelência o Comissário e outros ensaios de Sociologia Jurídica (p. 137-167). Rio de Janeiro: Letra Legal.

Oliveira, L. & Adeodato, J. M. (1996). O Estado da Arte da Pesquisa Jurídica e Sócio Jurídica no Brasil. Brasília: Conselho da Justiça Federal – Centro de Estudos Judiciários.

Paula, F. & Almeida, G. A. A. (2013). Avaliação Legislativa e Projeto Pensando o Direito: uma afortunada aproximação. In O papel da pesquisa na política legislativa: metodologia e relato de experiências do Projeto Pensando o Direito (p. 25-37) Brasília: Ministério da Justiça.

Prewitt, K.; Schwandt, T. A.; Straf, M. L. (Eds.) (2012). Using Science as Evidence in Public Policy. National Research Council. Washington: The National Academies Press.

Rodriguez, J. R. (2013). O Impacto do Projeto Pensando o Direito. In O papel da pesquisa na política legislativa: metodologia e relato de experiências do Projeto Pensando o Direito. (p. 109-115) Brasília: Ministério da Justiça.

Sarat, A. & Silbey, S. (1988). The Pull of the Policy Audience. Law & Policy. 10 (2 & 3).

Souza Filho, C. F. M. (2009). Estatuto dos Povos Indígenas. Série Pensando o Direito, 19/2009. Brasília: Ministério da Justiça.

Terrazas, F. V. & Abramovay, P. V. (2013). Alguns Apontamentos sobre a pesquisa no âmbito do Projeto Pensando o Direito. In O papel da pesquisa na política legislativa: metodologia e relato de experiências do Projeto Pensando o Direito. (p. 17-24) Brasília: Ministério da Justiça.

Veronese, A. (2006). O Problema da Pesquisa Empírica e sua baixa integração na área do Direito: uma perspectiva brasileira da avaliação dos cursos de pós-graduação do Rio de Janeiro, XV Congresso Nacional do CONPEDI. Disponível em http://www.conpedi.org.br/manaus/arquivos/anais/bh/alexandre_veronese2.pdf

Webley, L. (2010). Qualitative approaches to empirical legal research. In P. Cane & H. M. Kritzer. The Oxford Handbook of Empirical Legal Research. (pp. 926-950) Oxford: Oxford University Press.




DOI: http://dx.doi.org/10.19092/reed.v1i2.40

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution 3.0 License.

Indexado em:

  Crossref logo periodicos logo j4f logo worldcat logo sherpa romeo