Dificuldades e descobertas de uma pesquisa empírica em direito: estudo de casos a partir de documentos de arquivos judiciários

Vanessa Dorneles Schinke

Resumo


Este texto relata o percurso de uma pesquisa empírica em direito realizada durante o curso de doutorado da autora. Narrado em primeira pessoa, descreve as dificuldades práticas e as descobertas teóricas construídas ao longo do desenvolvimento de uma pesquisa que culminou com a opção pela estratégia metodológica do estudo de caso. Paralelamente, insere considerações teóricas sobre as escolhas metodológicas que se apresentaram durante o processo, especialmente Robert Yin e Carlo Ginzburg. Explica de que forma tal bibliografia possibilitou a combinação de várias estratégias na pesquisa, paralelas ao estudo de caso. De forma minuciosa, relata a fase de exploração, o contato com outros espaços de pesquisa e com profissionais de outras áreas. O texto não apresenta os resultados da pesquisa relatada, pois ela ainda não está concluída. Pretende contribuir para a solidificação do debate sobre a forma de produção do conhecimento jurídico.

Palavras-chave


pesquisa empírica; direito; estudo de caso; paradigma indiciário; relato

Texto completo:

PDF

Referências


Aguilar, P. (2013). Judiciary Involvement in Authoritarian Repression and Transitional Justice: The Spanish Case in Comparative Perspective. International Journal of Transitional Justice, 7 (2), 245-266.

Baumer, F. L. (1990a). O Pensamento Europeu Moderno (v. I). Vila Nova de Gaia. Edições 70.

Baumer, F. L. (1990b). O Pensamento Europeu Moderno (v. II). Vila Nova de Gaia. Edições 70.

Bourdieu, P. (2002). O poder simbólico (5. ed). Rio de Janeiro: Bertrand Brasil.

Brasil (2014). O Judiciário na ditadura. In Comissão Nacional da Verdade, Relatório Final da Comissão Nacional da Verdade (vol I, parte IV, pp. 934-958). Disponível em: http://www.cnv.gov.br/images/relatorio_final/Relatorio_Final_CNV_Parte_4.pdf

Cooper, H. M. (1984). The integrative research review. Beverly Hills: Sage.

Elster, J. (2006). Rendición de Cuentas - La Justicia Transicional en Perspectiva Histórica. Buenos Aires: Katz.

Georgiadis, C.; Silveira, D. O.; Félix, L. O. (2012). Tribunal de Justiça do RS - Mais de um Século de História. Memorial do Judiciário do RS. Porto Alegre: Departamento de Artes Gráficas do TJ.

Ginzburg, C. (1987). O queijo e os vermes: o cotidiano e as idéias de um moleiro perseguido pela Inquisição (3. ed). São Paulo: Companhia das Letras.

Ginzburg, C. (2007a). Mitos, emblemas, sinais: morfologia e história (2. ed). São Paulo: Companhia das Letras.

Ginzburg, C. (2007b). O fio e os rastros: verdadeiro, falso, fictício (2. ed). São Paulo: Companhia das Letras.

Habermas, J. (2009). A Lógica das Ciências Sociais. Petrópolis: Vozes.

Koselleck, R. (2006). Futuro passado: contribuição à semântica dos tempos históricos. Rio de Janeiro: Contraponto.

Lima, R. K. (1997) A antropologia da academia: quando os índios somos nós (2. ed). Niterói: EDUFF.

Mate, R. (2005). Memórias de Auschwitz – atualidade e política. São Leopoldo: Nova Harmonia.

Mate, R. (2008a). La herencia del olvido. Madrid: Errata naturae editores.

Mate, R. (2008b). La razón de los vencidos. Barcelona: Anthropos Editorial.

Martins, G. A. (2008). Estudo de Caso: uma estratégia de pesquisa (2. ed). São Paulo, Atlas.

Pereira, A. (2010). Ditadura e repressão: o autoritarismo e o Estado de Direito no Brasil, no Chile e na Argentina (Trad. P. de Q. C. Zimbres). São Paulo: Paz e Terra.

Piovesan, F. (2014). Justiça de transição, reformas institucionais e consolidação do Estado Democrático de Direito: o caso brasileiro. In E. P. Meyer & A. C. Oliveira. Justiça de transição nos 25 anos da Constituição de 1988 (2. ed). Belo Horizonte: Initia Via.

Ricoeur, P. (2007). A memória, a história, o esquecimento. Campinas: Editora da Unicamp.

Rio Grande do Sul (2012). 1967-2012: JFRS 45 anos em movimento. Primeira Instância, 227.

Santos, R. L. (2010). Crimes da ditadura militar – responsabilidade internacional do Estado brasileiro por violação aos Direitos Humanos. Porto Alegre: Nuria Fabris.

Schinke, V. D. (2013). Enquanto isso, na sala da Justiça. Juízes para a Democracia, 14 (61), 10.

Seligmann-Silva, M. & Nestrovski, A. (2000). Catástrofe e Representação. São Paulo: Escuta.

Seligmann-Silva, M. (2008). Narrar o trauma: a questão dos testemunhos de catástrofes históricas. In R. K. Umbach (Org.) Memórias da repressão. Santa Maria: UFSM, PPGL.

Stake, R. E. (2009). A arte da investigação com estudos de caso (2. ed). Lisboa: Calouste Gulbenkian.

Teitel, R. (2003). Transitional Justice Genealogy. Harvard Human Rights Journal, 16, 70-94.

Todorov, T. (2000). Los abusos de la memoria. Barcelona: Paidós.

Wolcott, H. F. (1990). Writing up qualitative research. Newbury Park: Sage.

Yin, R. (1997). Case study evaluations: a decade of progress? New Directions for Evaluation, 76, 69-78.

Yin, R. (2005). Estudo de caso: planejamento e métodos. 3. ed. Porto Alegre: Bookman.

Zyl, P. V. (2009). Promovendo a justiça transicional em sociedades pós-conflito. Revista Anistia Política e Justiça de Transição, 1 (jan./jun.), 32-55.




DOI: http://dx.doi.org/10.19092/reed.v2i1.58

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution 3.0 License.

Indexado em:

  Crossref logo periodicos logo j4f logo worldcat logo sherpa romeo