Gênero e violência conjugal: olhares de um sistema de justiça especializado

Nayara Magalhães

Resumo


O sistema de justiça tem sido alvo de reflexões acerca de sua eficiência e credibilidade frente às demandas das mulheres. Com as pressões dos movimentos fe- ministas para visibilizar a violência doméstica, conju- gal e familiar, o Estado tem sido pressionado a criar medidas e espaços especiais para o enfrentamento dessa problemática. A partir desse cenário, a propos- ta desse trabalho é apresentar uma pesquisa que re- vele nuances do sistema de justiça especializado do Distrito Federal, por meio da Delegacia Especial de Atendimento à Mulher, de Promotorias de Violência Doméstica e Familiar contra a Mulher e de Juizados de Violência Doméstica e Familiar contra a Mulher. Foram feitos estudos de caso e análise de conteúdo a partir dos registros de entrevistas com delegadas de polícia, promotores de justiça e juízas de direito em que foram analisadas percepções pessoais, profissio- nais, legais, teóricas, estatais e sistêmicas de oito pro- fissionais inseridos/as nesse sistema. O objetivo foi compreender como se dá a interação dessas pessoas com a Lei Maria da Penha, com os estudos de gêne- ro e violência, com sujeitos inseridos em situação de violência e com o próprio sistema de justiça. Identi- ficamos algumas reflexões críticas sobre a condição da mulher e as desigualdades de gênero nas relações sociais e afetivas, todavia, alguns resquícios da cul- tura patriarcal legitimadora da violência fizeram-se presentes. 


Palavras-chave


Sistema de justiça; Gênero; Violência; Profissionais de Justiça

Texto completo:

PDF

Referências


Andrade, V. R. (abr./jun. de 1996). Do paradigma etio- lógico ao paradigma da reação social: mudança e permanência de paradigmas criminológicos na ciência e no senso comum. n. 14, abr./jun. 1996. Revista Brasileira de Ciências Criminais, 276-287.

Andrade, V. R. (1999). Criminologia e Feminismo. Da mulher como vítima à mulher como sujeito. In: C. H. Campos, Criminologia e Feminismo (pp. 105- 117). Porto Alegre: Sulina.

Bandeira, L. M. (1999). Violência sexual, Imaginário de gênero e Narcisismo. In: M. Suárez, & L. M. Ban- deira, Violência, gênero e crime no Distrito Federal.

(pp. 353-386). Brasília: UnB.

Baratta, A. (1999). O paradigma de gênero. In: C. H.

Campos, Criminologia e Feminismo (pp. 19-80).

Porto Alegre: Sulina.

Bardin, L. (1997). Análise de Conteúdo. Lisboa: Edições

Campos, C. H., & Carvalho, S. d. (maio/set. de 2006).

Violência doméstica e juizados especiais crimi- nais: análise a partir do feminismo e do garantis- mo. n. 2. Revista de Estudos Femininos, 14.

Castilho, E. W. (2009). A Lei n. 11.340 e as novas pers- pectivas da intervenção do Estado para superar a violência de gênero no âmbito doméstico e fami- liar. Acesso em 19 de Julho de 2011, disponível em Procuradoria Geral da República:http://pfdc. pgr. mpf.gov.br/atuacao-e-conteudos-de-apoio/ publicacoes/mulher/Lei_11.340_06

Coelho, A. M. (2010). Crenças e Atitudes dos Agentes Policiais Face à Violência Contra a Mulher. Porto, Portugal: Universidade do Porto.

Cortizo, M. d., & Goyeneche, P. L. (jan-jun de 2010). Judiciarização do privado e violência contra a mulher. Katál. Florianópolis, 13(1), 102-109.

Dantas-Berger, S. M., & Giffin, K. (mar-abr de 2005). A violência nas relações de conjugalidade: invisibi- lidade e banalização da violência sexual? Caderno de Saúde Pública, 2(21), 417-425. Debert, G. G., & Gregori, M. F. (2000). As Delegacias Especiais de Polícia e o projeto Gênero e Cidadania. (N. d. Gê- nero, Ed.) Cadenos Pagu.

Dias, M. B. (2010). A Lei Maria da Penha na Justiça: a efetividade da Lei 11.340/2006 de combate à vio- lência doméstica e familiar contra a mulher (2a ed.). São Paulo: Revista dos Tribunais.

Diniz, G. R., & Angelim, F. P. (2003). Violência Domésti- ca – Por que é tão difícil lidar com ela? . Revista de Psicologia da UNESP, 2(1), 20-35.

Franco, M. L. (2007). Análise de Conteúdo (2a ed.). Brasília, DF: Liber Livro.

Grossi, P. K. (1995). Violência contra a mulher: mitos e fatos. Educação, 18(23), 93-99.

Instituto AVON/IPSOS. (2011). Pesqusa Instituto AVON/ IPSOS Percepções sobre a Violência Doméstica con- tra a Mulher no Brasil 2011. Acesso em 08 de agos- to de 2011, disponível em Instituto Avon: http:// www.institutoavon.org.br/wp-content/themes/ institutoavon/pdf/iavon_0109_pesq_portuga_vd2010_03_vl_bx.pdf

Izumino, W. P. (1998). Justiça Criminal e violência con-

tra a mulher: o papel da justiça criminal na solução dos conflitos de gênero. São Paulo: Annalumbe: FAPESP.

Lima, F. R. (2009). A Renúncia das Vítimas e os Fatores de Risco à Violência Doméstica: da Construção à Aplicação do Art. 16 da Lei Maria da Penha. In: F. R. Lima, & C. Santos, Violência Doméstica: Vulne- rabilidades e Desafios na Intervenção Criminal e Multidisciplinar (pp. 73-112). Rio de Janeiro: Lumen Juris.

Machado, L. Z. (2010). A Invenção das Delegacias Es- pecializadas. In: L. Z. Machado, Feminismo em Movimento (pp. 14-47). São Paulo: Francis.

Mazzilli, H. N. (2008). Introdução ao Ministério Público (7a ed.). São Paulo: Saraiva.

Medeiros, M. N. (2010). Violência conjugal: repercus- sões na saúde mental de mulheres e de suas filhas e seus filhos adultas/os jovens. 251. (P. d.-G. Cultura, Ed.) Brasília, Distrito Federal: Universidade de Brasília.

Moraes, A. F., & Gomes, C. d. (2009). O caleidoscópio da violência conjugal: instituições, atores e polí- ticas públicas no Rio de Janeiro. In: A. F. Moraes, & B. Sorj, Gênero, Violência e Direitos (pp. 75-109). Rio de Janeiro: 7Letras.

ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE (OMS). (2005). Es- tudio multipaís de La OMS sobre La salud de la mu- jer: primeros resultados sobre prevalencia, eventos relativos a la salud e respuestas a las mujeres a dicha violencia. Acesso em 19 de Julho de 2011, disponível em WHO: http://www.who.int/gender/ vilence/who_multicuountry _study/summary/re- port/summaryreportSpanishlow.pdf.

Pasinato, W. (1997). Justiça Criminal e violência con- tra a mulher: o papel da justiça criminal na solu- ção dos conflitos de gênero. Revista Brasileira de Ciências Criminais, 18.

Pasinato, W. (2009). Estudo de Caso: Juizados Espe- ciais de Violência Doméstica e Familiar contra a Mulher e a Rede de Serviços para Atendimento de Mulheres em Situação de Violência em Cuiabá, Mato Grosso. São Paulo: Observe – Observatório Lei Maria da Penha.

Penso, M. A. (2009). As complexas Relações entre Ál- cool, Drogas e Violência Intrafamiliar em Contextos de Exclusão Social. In: F. R. Lima, & C. Santos,

Violênia Doméstica: vulnerabilidades e desafios na intervenção criminal e multidisciplinar (pp. 243- 254). Rio de Janeiro: Lumen Juris.

Pimentel, S., & Pandjiarjian, V. (2000). Direitos Huma- nos a partir de uma Perspectiva de Gênero. Revis- ta da Procuradoria Geral do Estado de São Paulo , 107-140.

Piovesan, F. (2005). Ações Afirmativas da Perspecti- va dos Direitos Humanos. Cadernos de Pesquisa, 35(124), pp. 43-55.

Poupart, J., Deslauries, J.-P., Groulx, L.-H., Laperrière, A., Mayer, R., & Pires, Á. P. (2008). A pesquisa quali- tativa: enfoques epistemológicos e metodológicos. (A. C. Nasser, Trad.) Petrópolis, Rio de janeiro, Bra- sil: Vozes.

Rago, M. (1995/1996). Adeus ao Feminismo? Feminismo e (Pós) Modernidade no Brasil. Cadernos AEL(3/4), pp. 11-43.

Saffioti, H. I. (2001). Contribuições feministas para o estudo das relações de gênero. Cadernos Pagu, 16, 115-136.

Santos, C. M., & Pasinato, W. I. (2005). Violência contra as Mulheres e Violência de Gênero: notas sobre estudos feministas no Brasil. Estudios Interdisci- plinarios de América Latina y El Caribe.

Scott, J. W. (jul./dez. de 1995). Gênero: uma catego- ria útil de análise histórica. Educação & Realidade. Porto Alegre, vol. 20 (2), 71-99.

Soares, B. M. (2005). Enfrentando a Violência contra a Mulher: orientações práticas para profissionais e voluntários. Acesso em 19 de julho de 2011, disponível em UCAM:http://www.ucamcesec.com.br/ arquivos/publicacoes/manual_enfrentando_vio- lencia.pdf.

Souza, P. A., & Ros, M. A. (outubro de 2006). Os moti- vos que mantêm as mulheres vítimas de violência no relacionamento violento. Revista de Ciências Humanas, 40, 509-527.

Yin, R. (2001). Estudo de caso: planejamento e métodos (2 ed.). Porto Alegre: Bookman.




DOI: http://dx.doi.org/10.19092/reed.v2i2.73

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution 3.0 License.

Indexado em:

  Crossref logo periodicos logo j4f logo worldcat logo sherpa romeo